POR QUE NÃO EMAGREÇO MAIS COM A DIETA LOW CARB HIGH FAT?

  • 9 September 2017
  • admin

No consultório recebo com frequência pessoas que já estavam em “dieta”. Na maioria dos casos, chegam já com déficit energético, mas indignadas com a estagnação da perda de peso, por isso resolvi dividir com vocês aqui algumas reflexões.
Primeiramente, gostaria de registrar que ABSOLUTAMENTE TODAS AS DIETAS PODEM NÃO FUNCIONAR PARA TODOS OU POR LONGOS PERÍODOS. Desta forma, apesar de ter escolhido falar da dieta “low carb high fat”, não desejo criticar esta conduta especificamente. Desejo sim destacar que, se você deseja reduzir a gordura corporal, não deverá por sua conta copiar modelos de alimentação sugeridos em redes sociais. Isso porque, por exemplo, com frequência consegue-se reduzir a gordura por meio de uma dieta baixa em carboidratos, mas estas dietas muitas vezes tiram a vitalidade, alteram o humor ou geram queda no desempenho físico, quando exageradamente restritas, é claro. Além disso, e o ponto mais importante que gostaria de registrar aqui, de NADA IRÁ ADIANTAR REDUZIR DRASTICAMENTE OS CARBOIDRATOS SE VOCÊ SAIR COMENDO GORDURA EXAGERADAMENTE O DIA INTEIRO! Afirmo isso com base na minha experiência com atendimento. A gordura mais elevada (e de qualidade) poderá dar mais saciedade e compensar a baixa do carboidrato de forma bem sucedida, mas ela também precisará ser dosada, caso contrário, o emagrecimento chega ao ponto de estagnação! Por fim, se você estiver em “dieta low carb high fat” e “low protein” também não creio que seja muito bem sucedida, especialmente considerando que você esteja engajado em rotina regular de exercícios físicos. Ou será que alguém aqui ainda acha que consegue-se emagrecer (e continuar magro) adotando um estilo de vida sedentário? Há quem acredite também que não precisemos contar calorias, basta realizar mudanças qualitativas na dieta, mas peço licença e digo que discordo em parte desta teoria. Conversarei melhor sobre ela em outro momento... ;) Ah, já ia me esquecendo... existem “modelos de dieta” que até podem funcionar com sedentários, mas o contexto da “Nutrição Esportiva” é bem diferente, especialmente quando ainda acredita-se na importância de se preservar a saúde e/ou o desempenho físico.